Trombofilia & Mulher

A prevalência global do TEV entre homens e mulheres é similar. No entanto, estudos mostram que entre adolescentes e adultos jovens, o sexo feminino parece superar o masculino no risco da doença. Isso se deve em grande parte a fatores hormonais entre eles, ao uso da contracepção hormonal, gestação e puerpério (pós parto).

Imagem Trombofilia e Mulher

Há situações de risco como idade, trombofilia e outras comorbidades que irão aumentar a chance de mulheres na idade fértil apresentarem a doença. Portanto, é preciso ficar atenta na escolha do método contraceptivo. Mulheres com histórico de trombose devem receber uma atenção especializada antes da prescrição do contraceptivo. Do mesmo modo, gestantes e puérperas com predisposição a doença devem ser orientadas quanto a medidas preventivas.

Na última década tem sido mostrada uma associação entre trombofilia e risco de complicações gestacionais como: eclampsia, abortos recorrentes e até infertilidade Mulheres com esse perfil devem ser submetidas a uma avaliação especializada quanto a pesquisa de trombolilia e introdução de terapia antitrombótica.