Anticoagulantes na Gestação e Pós Parto

A gestação e o pós-parto são períodos da vida da mulher onde há estado de hipercoagulabilidade com consequente maior risco de complicações trombóticas.

Os anticoagulantes são medicações, que tem papel na prevenção e tratamento da trombose.

No entanto, a indicação deve ser bem rigorosa, assim como o tipo e dosagem dessas medicações devem ser bem avaliada.

Nem todo anticoagulante pode ser prescrito para esse grupo. A Varfarina (Marevan), assim como os novos anticoagulantes orais (NOACS) não devem ser usados na gestante pelos possíveis riscos de complicações fetais, como: sangramento e má formação.

Nas situações em que a Varfarina é imprescindível, como em pacientes com próteses cardíacas, ainda assim deve ser evitado o uso no primeiro trimestre, período crucial na formação dos órgãos fetais.

No pós-parto, temos que considerar a amamentação e o risco dessas drogas serem excretados pelo leite materno. Nesse cenário, os NOACS ainda não são considerados seguros e não devem ser prescritos.

Com relação a Varfarina é possível seu uso em lactantes, porém com controle intensivo da coagulação, para assegurar que a medicação não fique em níveis tóxicos.

Então, qual seria o anticoagulante ideal nesse delicado período da vida feminina?
As heparinas (ex: enoxaparina) são as drogas de escolha em gestantes e lactantes. Elas são eficientes e seguras para a mamãe e o bebê.

Pelo fato de ser aplicada via subcutânea, pode levar incômodo local como dor e hematoma. Há vários pontos de aplicação (não apenas barriga), que devem ser revezados para atenuar o desconforto.

Doses menores de enoxaparina (dose profilática) são indicadas em mulheres que já tiveram trombose ou abortos.

Doses maiores são usadas para tratar a fase aguda da doença. Ajustes podem ser necessários, conforme o ganho de peso.

Pré natal em gestante anticoagulada requer cuidados especiais. Vigilância a sinais de sangramento e trombose, monitorização da coagulação e preparo do parto.

O seguimento conjunto com hematologista especializado na área deve ser incentivado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *